Skip to main content

Cidadão e eleitor dois indivíduos iguais com papeis diferentes

5ad9babd-7501-40b1-8998-a4d0041c47ce

A democracia brasileira é um arranjo para manter o status quo, deixar tudo como está, sem perigo para os que detém o poder. Duas palavras são fundamentais em uma democracia: Eleitor e Cidadão. Cidadão é o que exige que o poder emane sempre do povo e em seu nome tudo seja cumprido. Eleitor é o que escolhe os representantes. Estes dois termos, aqui, são apenas figurativos. O cidadão é um igual, aquele que senta na mesa e opina com as mesmas condições.

No Brasil, a exclusão social, as discriminações e a concentração de rendas nas mãos de poucos, desiguala as pessoas, criando cidadãos de primeira, de segunda e até de terceira classe. O eleitor participar pouco do processo de escolha. Apenas em um dia, com os pratos feitos pelos caciques partidários lhes são exibidos. Não interfere na maior parte do processo de escolha dos representantes e depois que vota, nunca mais é consultado para nada. Um deputado, com ataque de sinceridade extrema, disse que o mandato era seu e fazia o que lhe convinha.

O cidadão e o eleitor deveriam se tornar uma só pessoas no momento da escolha dos representantes. Assim a democracia representativa se fortaleceria. Na urna, porém, nem o cidadão e nem o eleitor estão juntos. Ali, a maioria, são de pessoas em indigência. excluídos socialmente, sem rendas, cheios de drama pessoais, pessoas que percebem a realidade diferente do que ela realmente é, posto que influenciado pela mídia que mais desinforma do que ajuda ao povo enxergar sua própria realidade. Este quadro produz resultados eleitorais sempre ilegítimos, onde os algozes são eleitos pelos oprimidos, numa verdadeira síndrome de Estocolmo.

Os poucos cidadãos, que por seus próprios meios, conseguem se libertar, constituindo partidos ou movimentos libertários, enfrentam grandes dificuldades para obter adesão de seus iguais. As regras feitas pelos que detém o poder lhes são impeditivas. Enfrentam a ante-propaganda e as ausência de meios para convencer seus eleitores de que representam a liberdade para todos. A democracia é um processo custoso, o processo é longo e penoso, cheio de desertos, de voltas, de idas e vindas, como se fosse o caminho até a Terra Prometida. O importante é continuar caminhando em frente, em um única direção: a liberdade.

Leia Mais

Se o Brasil fosse Hexa ainda sim perderíamos o jogo

66591ae2-781b-48e5-a44b-090fa5bdc1d1

Um país gigante, diverso, desafiador, penta, não pode depender de um craque para vencer e construir um destino diferente. É a lição que tiro da nossa derrota para Bélgica. Por um curto período de duas semanas, os problemas nacionais e estaduais, foram deixados de lado. No estado do Pará e em grande parte dos estados brasileiros, teve hospital que parou o atendimento aos doentes, por causa dos jogos da copa – até escolas. O Governo Estadual facultando expediente de órgãos importantes por causa dos jogo. A copa é importante para nós brasileiros, com certeza, mas não pode ser prioridade e, muito menos, ser usado como ferramenta de “distração”, pelos nossos governantes.

A copa do mundo afetou diretamente o nosso estado – de forma negativa e positiva. Enquanto algumas crianças brincavam nas ruas, sem se preocupar com a violência que foi “amornada” por uns instantes, outras estavam morrendo em filas de hospitais, esperando por atendimento. Enquanto a economia e o comércio foram alavancados com as vendas de produtos relacionados com os eventos esportivos, a desigualdade social não demonstrou nenhuma estimativa de nivelamento. Enquanto se discutia o histórico e a história das copas e da seleção brasileira, a HISTÓRIA estava sendo de lado e esquecida nas escolas públicas.

A copa é importante para o nosso povo, o futebol e seus craques alavancam sonhos na nossa garotada, mas, vou insistir e repetir, ele não deve ser usado como ferramenta maligna contra o nosso povo. As decisões de investimentos, de geração de empregos, de crescimento econômico, de preservação de recursos naturais não renováveis, tudo depende de ações coletivas em função de uma eficiente estratégia – o que falta em grande escala no Pará.

O Brasil e o estado do Pará sairão vitoriosos, superando os baixos índices de desenvolvimento humano, quando toda a sociedade ou pelo menos maioria do povo e seus governantes assumirem que um país se constrói coletivamente – através da consciência política-, e não apenas através do futebol.
Ano eleitoral aproxima-se e um contexto político preocupante está se criando. Bolsonaro, Ciro Gomes, Alkmin ou quem o PT indicar, sozinhos não mudarão nada. Precisamos saber quais os seus planos? Quem eles indicam para equipes de governo? Com que políticos e partidos pretendem exercer o mandato? Como admitiram a participação de todos nós? A mesma estratégia deverá ser usada em eleições futuras para o governo do estado, para que os “craques” certos sejam escolhidos.

A Argentina de Messi, Portugal de Cristiano Ronaldo e o Brasil de Neymar foram eliminados da copa. Destes citados, apenas Portugal está crescendo – junto com seus estados. Os países que superaram a pobreza, eliminaram a miséria, diminuíram a violência, cresceram, progrediram, fizeram com a participação de todos, sem abrir mão dos talentos individuais.

Leia Mais

Doe dinheiro para ajudar a campanha do verde

Vaquinha Eletrônica

 

Os políticos que se recusaram a entrar na corrupção ficaram sem possiblidade de divulgar suas plataformas. Agora, com a vaquinha eletrônica aprovada pelo TSE, eles ganharam a possibilidade de arrecadar dinheiro limpo e transparente. Faça uma doação, pode ser pequena ou até 10% do valor da sua última declaração do imposto de renda. Entre no site clicando na foto e siga as instruções apertando em contribuir. A doação é feita pelo cartão de crédito, fiscalizada por você e pela Justiça Eleitoral. Tudo como deverias ser sempre.

 

 

Leia Mais

O Casamento do Príncipe Harry com Meghan Markle e a Bancada da Bíblia

O Bispo Michael Bruce Cury, roubou a cena durante o casamento real, entre o Principe Harry e a atriz, afrodescendente, Meghan Markle, com a pregação que repete Martin Luther King, sobre o poder redentor do amor: “o amor pode ajudar a curar quando nada mais pode”.

A cerimônia, presidida pelo Justin Welby, arcebispo de Cantuária, líder da comunhão Anglicana mundial, foi realizada no templo do protestantismo, oriundo do cisma que gerou muitas denominações cristãs pelo mundo afora.

Ver a cerimônia e ouvir o pregador americano e negro, falando na Inglaterra, aos nobres, nos remete a pensar sobre o baixo nível das pregações de políticos, disfarçados de pastores, que usam os púlpitos das casas, através de meios de comunicação e de construções transmudadas em templo, para pregar o ódio, a divisão, arrecadar dinheiro e apoiadores para seus projetos de poder terreno, onde tudo existe, menos o amor.

O bispo Michael, ligou o seu tablet, assomou o púlpito da capela de São Jorge, no Castelo de Windsor, para falar de amor e do fogo controlado. Citou Luther King, os mais importantes líderes do movimento dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos, e no mundo, com uma campanha de não violência e de amor ao próximo. Mas também citou o padre católico Pierre Teilhard de Chardin, que foi um padrejesuíta, teólogo, filósofo e paleontólogofrancês que tentou construir uma visão integradora entre ciência e teologia.

Os religiosos que pregam a palavra, não podem fazer sem estuda-la, sem se aprofundar, sem receber a inspiração do Espirito de Deus. O sentido da obra religiosa deve ser o amor ao próximo, que é a primeira e mais importante lição cristã.

O bispo negro americano, fez o que deve ser feito em nome de Deus. E o fez demonstrando que de sua boca saiam palavras inspiradas e cultas.

Os pregadores políticos, quando falam, cospem ódio, oportunismo, lições que mais parecem vindas de Baal. Querem o corpo das pessoas, o dinheiro das pessoas, a fé dos crentes para seus projetos políticos escusos. Vendem a Igreja e a alma.

A bancada da Bíblia no Congresso Nacional, que não demonstra ter amor ao próximo, é a que mais troca o voto, a representação popular por negócios e mais poder para si e para o seu desamor, tudo em nome de Jesus Cristos, confundindo a cabeça de eleitores e fiéis.

O papa Francisco tem se esforçada pela unidade dos cristãos e ontem, ao ver a cerimônia com o Bispo de Cantuária e o Presidente das Igreja Episcopal dos Americanos, acendeu em mim a chama desta unidade, que afastaria os maus-profetas e separaria o joio do trigo, fazendo coque se cumpra:

Jesus disse: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio”. 22E, depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo. 23A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem não os perdoardes, eles lhes serão retidos”.

Leia Mais

img_3682-1.jpg

Derrote políticos viciados

Nesta eleição, a ordem é renovar a política com qualidade. Você topa? Renovar é trocar, mudar, substituir, mas não de qualquer jeito.

O Congresso Nacional em todas as eleições sempre renova 30% dos seus membros, mas isso nem sempre quis dizer mudanças, o eleitor acaba trocando seis por meia dúzia. Veja um caso concreto.

O corrupto do Severino Cavalcante perdeu o mandato. Aplaudimos muito, ele não merecia nos representar. Depois descobrimos que Severino pediu e os eleitores votaram num seu substituto novinho em folha, o deputado Eduardo da Fonte, acontece que o moço é pior e veio com uma folha corrida invejável (Veja processo do Dudu da Fonte)

Agora os corruptos inelegíveis, respondendo processos, alcançados pela Lava Jato e outras operações, não querem perder poder e tencionam eleger seus filhos ou parentes, é o caso de Eduardo Cunha que quer eleger sua filha, Wladimir e o Pastor Josue Bengtson, também.

Renovar na política é renovar com qualidade. É corrigir sempre os rumos da construção do estado democrático de direito. É fortalecer as instituições. É buscar representantes cada vez mais identificado com valores éticos, morais, defensores do bem-comum, dos interesses gerais da sociedade em busca da felicidade como um bem de todos.

O trabalho do eleitor, enquanto cidadão é acreditar nos valores coletivos como seus e garimpar na sociedade os melhores cidadãos para desempenhar essa missão de representa-lo. O desfio é grande, mas nada que um eleitor comprometido não posso alcançar.

Leia Mais

img_3420-1.jpg

Nova política de drogas depende do STF

A grande maioria de roubos e homicídios está ligado ao tráfico e consumo de drogas, onde o consumidor é usado fisgado e usado pela rede criminosa, por trás deste grande negocio ilícito, que movimento muito dinheiro ilegalmente e vem controlando boa parte das áreas de periferias das cidades brasileiras e também das penitenciárias, ocupando o lugar deixado pela sociedade e pelo estado.

A rede do tráfico de drogas é difícil de combater pelos métodos tradicionais, os países que obtiveram sucesso, derrubando os indicies de criminalidade a níveis aceitáveis, atuaram na política de drogas, dando tratamento diferente a traficantes e usuários.

O STF interrompeu, por um pedido de vista do Ministro Teori Zavascki, o debate sobre a legalização do porte de drogas. O Ministro Alexandre de Moraes, que assumiu o lugar do Ministro Teori, após o seu brusco falecimento, precisa devolver o processo para ser pautado e a Corte prosseguir na apreciação desta importante matéria.

Quando o processo de votação dos parâmetros para separar viciados de traficantes, dando tratamento diferente para cada caso, incluindo descriminalizar o porte de pequenas quantidades de drogas leves, como a maconha, previstos na política de drogas, da Lei n.º 11.343/2006, estava em debate, três ministros, Gilmar Mendes, Luis Edson Fachin e Luis Barroso já haviam se posicionado a favor da discriminalização das drogas. O Ministro Alexandre de Moraes, que atuou na segurança pública de São Paulo, conhece o tema e os dramas de milhares de jovens fisgados pela rede dos criminosos que controlam os presídios paulistas, por isso tende a acompanhar os votos até aqui proferidos.

A política errada de droga, somada a decisão de encarceramento como única forma de punição, é o combustível para o aumento da violência urbana em todo país. Os líderes do tráfico controlam as cadeias e se aproveitam dos jovens presos por pequenos delitos, envolvendo drogas, para recruta-los como “soldados” a serviço de mortes e crimes maiores.

A decisão do STF sobre drogas representará um baque no negócio milionário do crime organizado. Vamos torcer para que isso aconteça o mais rápido.

Leia Mais

img_3363-1.jpg

PP é um partido ou uma quadrilha?

O PP, Partido Progressista é de longe o partido com o maior número de políticos corruptos, presos, processados e sob investigação do Brasil, mas, contraditoriamente,  foi o Partido que mais atraiu políticos na janela aberta para troca de legenda sem perda de mandato, uma invenção a traição, criada pelos os mesmo políticos para burlar a fidelidade partidária.

Antes de saber o que atraiu os políticos para se filiarem ao PP, vale um pouco de história desta legenda que mais parece uma organização criminosa.

A ditadura militar brasileira nos legou muitas tragédias e uma herança maldita que levaremos ainda muito tempo para nos livrarmos.

Uma delas é o PP, Partido Progressista, a mais corruptas de todas as legendas do Congresso Nacional.

O PP era o PPB, Partido Progressista Brasileiros, que antes era o PPR, Partido Progressista Renovador, mas já foi o PDS, Partido Democrático Social, que nasceu do rebatismo da ARENA, Aliança Renovadora Nacional, organização criada em 1966 pelo militares e civis golpistas de 1964, com a ideologia do militarismo, conservadorismo, populismo de direita, nacionalismo, anti-comunismo e autoritarismo, para apoiar e legalizar, dando maioria no Parlamento, as ações autoritárias dos militares.

O PP, herdeiro da ARENA, sobreviveu a abertura democrática, abandonou sua ideologia e adotou a corrupção como forma de sobrevivência. Lembrando que este é o partido de Paulo Maluf, símbolo de mal-feitor mor do país.

Os dirigentes dos Progressistas, criaram um pacote de promessas de muito dinheiro público, através do Fundo Eleitoral e ofertaram aos deputados que desejaram trocar de legenda durante a janela, com isso, atraíram um número significativo de novos filiados com mandatos, foram  06 deputados, chegando a 53 parlamentares, a segunda maior bancada na Câmara dos Deputados. Garantindo o comando de comissões e cargo na mesa diretora.

Isto tudo se transforma em poder para obter cargos e vantagens, trocados por mais dinheiro público e benefícios aos financiadores de campanha.

Por que políticos, em pleno vigor das operações contra corrupção, não temem as punições e continuam correndo atras de dinheiro público ilícito?

O voto dos eleitores brasileiros percorre um caminho, reflexo da desigualdade social e da brutal concentração de renda. A massa de eleitores vive dramas pessoais terríveis e usa o voto como uma bala de prata para buscar solucionar alguns desses dramas. É nessa hora que o dinheiro fala mais alto que as propostas de um novo país. Os políticos corruptos sabem disso e vão a luta em busca dos recursos para “ajudar” os eleitores em troca do voto.

Os deputados que trocaram de partidos se filiando ao partido mais corruptos entre os partidos nacionais, não temem que isso abale seus projetos de reeleição, pois confiam que os eleitores trocaram seus votos por “ajuda”, dada com dinheiro da corrupção.

Os políticos corruptos não mudam, está provado. Quem deve mudar é o eleitor. Se o eleitor nacional parar de pedir “ajuda” e exigir direitos, o país será outro. Derrotar os corruptos e seus modus operandi é a forma de avançar o país e a sua democracia. Tenho fé.

Leia Mais

img_3093-1.jpg

Seu voto é uma arma poderosa contra os corruptos

Eleitor, um título e um voto de consciência pelo bem do país, torna-se a arma poderosa que pode eleger bons cidadãos, derrotar corruptos e limpar o Brasil.

Não transfira a sua responsabilidade de cidadão, o Brasil precisa mais do que nunca de seu voto com consciência.

O eleitor geralmente diz que todo político é igual e que não há pessoas honestas na política. A generalização é o primeiro erro e faz com que o eleitor despreze o voto como instrumento de cidadania, pois nem todos as pessoas são iguais e os políticos são pessoas, uns pensam no bem comum e outros no seu próprio bem.

Então cadê estes políticos que pensam no bem comum? Não foram eleitos. Você não votou neles.

Mas calma. Sei que não é tão fácil assim escolher boas pessoas para representar a sociedade.

O político corrupto vai tentar por todos os meios te enganar e você tem que ser mais esperto que ele. Use a tecnologia e pesquise na internet as referências e histórias dos escândalos que subtraíram bilhões dos cofres públicos, deixando programas e políticas públicas sem recursos e muitos brasileiros pobres sem assistência.

Conhecer os grandes partidos e políticos envolvidos em corrupções investigadas pelas duas últimas operações: “Mensalão” e “Lava-jato”, já é uma boa referência.

Muitos dos atuais deputados e senadores respondem processo junto ao STF, mas outros políticos, por causa do foro privilegiado, respondem processos em outras instâncias do Poder Judiciário. Veja a lista de Investigados no STF.

Siga pesquisando nos bancos de dados abertos e vá conhecendo a história dos políticos do seu estado. As pistas estão por todos os cantos e as mascaram vão caindo.

Quanto aos novatos, aqueles que nunca exerceram cargos, você precisará ter referências na vida pregressa. Um bom filho, um bom irmão, um bom amigo, um bom vizinho, um bom profissional, com certeza será um bom político.

Conheça as propostas que o candidato apresenta e a que setor da sociedade estas propostas se destinam.

O Brasil tem problemas sérios e seculares. A pobreza, a miséria e as desigualdades, incluindo a regional, são os mais graves deles, é daí que se originam a compra e venda de votos, a corrupção e a violência, por exemplo. Perceba se o seu candidato está interessado em apresentar propostas de solução para um desses males que afetam a maioria do nosso povo.

Por fim, procure saber quem está pagando as contas de campanha dele. Sim, porque não tem jantar de graça e quem paga a conta acaba dando a última palavra. Dai que políticos se elegem prometendo governar para maioria e depois de eleito ajudam a minoria esquecendo o povo.

Agora um recado final, não venda seu voto. Vender o voto não é apenas pegar dinheiro, mas também troca-lo por favores que vem pelas mãos dos candidatos. O dinheiro ou o favor que você pediu geralmente é atendido com apoio da corrupção ou do crime organizado.

A bola está no seu pé. Chute certo e marque um gol, votando com consciência para acabar com o roubo dos nossos sonhos e do nosso futuro.

Leia Mais

img_3090-1.jpg

Prisão de Lula é justa? 54% dos eleitores dizem que é.

O instituto Datafolha perguntou aos brasileiros se acham a prisão de Lula justa ou injusta e o resultado foi que a maioria, 54%, considerou justa, porém, 40% dos entrevistados disseram ser injusto prender o ex-presidente, após condenação em duplo grau de jurisdição, por unanimidade, com todos os recursos rejeitados pelas mais altas corte de Justiça do país.

A maioria dos que opinaram sobre ser justa a prisão de Lula, são de pessoas do sexo masculino, com maior taxa de escolaridade, maior média de salário e morador das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Já os que acham a prisão injusta são os menos escolarizados.

A pesquisa, ao meu ver, expõe o nível de credibilidade da Justiça brasileira. Lula é populista. Fala a linguagem que os excluídos desejam ouvir, mas o sistema deve está preparado para enfrentar pessoas com este perfil e vencê-los em nome da coletividade. Se o Datafolha medisse o nível de confiança dos brasileiros no seu sistema de justiça, desconfio que obteria números semelhantes.

Ao ler esta pesquisa, o CNJ e os magistrados brasileiros deveriam reunir-se urgentemente e refletir o que precisa mudar de fato para que uma sentença condenatória seja aceita como a vontade coletiva do povo brasileiro contra os indivíduos que se desviam das regras de convivência em sociedade.

O sistema punitivo deve sempre está acima dos indivíduos, sendo maior que qualquer um e receber o apoio majoritário dos cidadãos. Se não for assim, não terá legitimidade para seguir exercer o papel de estado-juíz.

Leia Mais