Skip to main content
Mensagem de Helder Barbalho aos deputados paraenses

Helder Barbalho fala em preservar o meio ambiente explorando minério e criando boi

Qual é a vocação natural do Estado do Pará?

Responder essa pergunta me parece a questão essencial para elegermos o modelo de desenvolvimento adequado e capaz de superar o estágio de pobreza e desigualdade em que vive a maioria dos oito milhões de paraenses.

“Neste contexto, o Pará precisará estar apto e pronto para atrair estes investimentos dentro da vocação econômica natural que tem – mineral, agropecuária e turismo, além de logística – e que servirão de alavanca para a geração do desenvolvimento, de emprego e renda que tanto é clamado por nossa população.
O foco no crescimento sustentável do nosso Estado com olhar atento à responsabilidade social, fiscal e ao aspecto ambiental é inegociável, pois precisamos garantir que nossa riqueza seja aproveitada de forma racional e consciente, e que se reverta em benefício para nossa sociedade no curto, médio e longo prazos.”
Foi o que disse Helder Barbalho em sua mensagem ao povo paraense, através de seus representantes, no ato de abertura do período legislativo.
O Governador acredita que a nossa vocação natural é minério, agropecuária e turismo. Eu acho que temos outras mais sustentáveis que essas as duas primeiras e que não são as nossas vocações naturais, com certeza não são.
 
Dizer vocação natural é o mesmo que dizer nasceu para isso, neste sentido compartilho as minhas reflexões sobre as vocações naturais que estão norteando o pensamento do Governado do Pará e irão dirigir suas políticas, caso não aceite refletir melhor sobre suas consequências.
 
O Pará não nasceu para retirar minério, construir barragens, ficar com os impactos ambientais danosos e gerar uma economia de concentração de riquezas.
 
O Pará não nasceu para retirar a floresta, plantar gramíneas, criar boi ou exportar soja, destruindo seu ecossistema, gerando pobreza e desigualdade.
 
O Pará nasceu para o turismo, agricultura familiar, para explorar as “drogas do sertão”, etc. Mas que tipo de turismo seria a nossa vocação?
Turismo é uma industria limpa, sem dúvida. A equipe do novo Governo, porém, precisa se fazer a seguinte pergunta: três razões pelas quais um turista disposto a gastar US$ 1000 por dia escolheria o Pará como seu roteiro turístico?
Quando essa pergunta for respondida com a cabeça do turista, estaremos prontos para explorar o turismo e gerar riqueza a partir dele.
O Governador afirma que o “aspecto ambiental é inegociável”:
Como não negociar a sustentabilidade da floresta e a preservação dos recursos naturais, garantindo um meio ambiente ecologicamente equilibrado para a geração atual e as futuras, quando se acredita que a vocação natural do Pará é a mineração e a agropecuária, inclusive colocando estas duas vertentes econômicas em primeiro e segundo lugar e o turismo, a única das três áreas eleitas compatível com a afirmação de que o aspecto ambiental é inegociável?
É uma contradição perigosa.
A mineração e a agropecuária não são nossas adversárias,  mas só servirão aos propósitos futuros do estado do Pará se forem tratadas como meio para construir uma economia sustentável e segura, em todos os seus aspectos, incluindo o combate a extrema pobreza e a violência a que estão submetidos ampla parcela da nossa população, baseada em outros setores, que sejam compatíveis com o bioma em que estamos inseridos.
Mensagem de Helder Barbalho aos deputados paraenses
Mensagem de Helder Barbalho aos deputados paraenses

Leia Mais