Skip to main content

Quem lava a roupa suja é o meu pessoal

 

Na entrevista autorizada pelo STF, que concedeu ao El Pais e a jornalista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, o ex-presidente Lula, sempre muito bom com as palavras e encantador para quem o admira, sem críticas, se postou como se fosse um rei falando aos seus súditos ou o próprio deus do Olimpo em busca de vingança ou da correção da falibilidades dos humanos, suas criaturas.

 

 

Em dois trechos, vê-se um Lula salvador da pátria, um semideus da economia e da administração pública, para concluir jogando a senha de que só ele pode salvar esse povo e esse país.

“Se eles lessem alguma coisa, se eles conversassem, eles saberiam que esse cidadão aqui, analfabeto, com um curso de torneiro mecânico, juntou R$ 370 bilhões e dólares de reservas, que a R$ 4 o dólar dá mais de R$ 1,2 trilhão, sem causar nenhum prejuí

zo a nenhum brasileiro.”

“No dia em que eu sair daqui, eles sabem, eu estarei com o pé na estrada. Para, junto com esse povo, levantar a cabeça e não deixar entregar o Brasil aos americanos. Para acabar com esse complexo de vira-lata.”

Ao ler toda a entrevista, incluindo o trecho que diz que errou ao não regulamentar os meios de comunicação, tem-se a impressão que Lula não poder morrer, pois é o único que pode salvar esse país.

Toda entrevista transcorria conforme o Lula havia desenhado. Ele falava direcionado para públicos específicos, incluindo os ministros do STF. Os trechos eram fortes para serem trabalhados pela máquina de propaganda petista. Reforçou toda narrativa da sua prisão e julgamento para se concluir que ali estava o preso político mais honesto e mais importante do Planeta. Seus algozes também estavam delimitados e identificados nas figuras de Moro e Dallagnol. O adversário político a Bolsonaro e seus malucos. O PT traçado como o único partido brasileiro nacional e capaz de libertar o povo. Eis que a genialidade da perguntadora Mônica Bergamo, desnudou o mito eo deixou cara a cara com sua natureza humana, revelando o método que o faz limpo e sem contato com as sujeiras que o levaram a condenação por corrupção e lavagem de dinheiro.

“O sr. lava suas roupas? Não. Eu mando para o meu pessoal lavar.”

Lula não lava a sua própria sujeira e tem sempre pessoas prontas para assumir e lavar tudo o que ele suja. Foi assim a vida inteira. No Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, no Partido dos Trabalhadores e no Governo. Lula nunca quis saber como se lava a sujeira que ele e seu governo foram deixando pelo meio do caminho.
Sempre teve o “meu pessoal” para assumir as roupas sujas.

Lula se sentem limpo e isso se explica pelo lado mais humano possível, ele não tem contato com a sujeira, as roupas, os apartamentos, os sítios, as palestras, o Instituto, tudo vem limpo e sem qualquer mácula. O seu pessoal providenciam a lavagem.

A pergunta da Mônica foi como a cena  do menino que viu o rei nu, dai a genialidade e o compromisso do bom e velho jornalismo sem regulamentação dos meios de comunicação, que neste país significa censura.

Leia Mais

Quem sabe escolher pupunha, saberá escolher o presidente da república?

Na vida, fazer boas escolhas é sempre muito difícil. Escolher é um jogo de acertos e erros. Muitas vezes, para escolher, levamos em conta a aparência, o que está diante dos olhos e não perscrutamos, investigamos, sondamos, para chegar até ao coração daquilo que desejamos escolher.

De todas as escolhas difíceis, acho escolher pupunha boa uma das piores.

Sei que você pensou em outras escolhas da vida, que também são difíceis. Mas nem uma delas chega aos pés de escolher na feira e levar para casa uma boa pupunha e receber os elogios da família.

Na vida sempre somos instado a escolhas. Escolher uma profissão de futuro. Um parceiro ou uma parceira. Um bom candidato a presidente da república, tudo é tão difícil…

Eu concordo que dá um certo trabalho, mas, meu amigo, escolher pupunha boa é uma ciência. Todas elas são jeitosas e têm sempre uma cara boa, o problema é depois de cozinhá-las. Ai verdade vem a tona. É a prova de fogo.

As vezes a bichinha está lá no Ver-o-peso, toda, toda, você compra, leva para casa, bota no fogo para cozinhar, prepara o café, e fica só na espera, quando a pupunha larga do talo, tira-se da panela ainda quente, descasca-se, ai, na hora de comer, pode ser aquela decepção.

As demais escolhas, mesmo as mais fáceis, também podem decepcionar, eu concordo. Mas para todos elas existem remédios. No caso da pupunha é que não tem. Da feita que comprou e cozinhou ou presta ou foi uma escolha errada e não tem remédio.

Certa feita, querendo me especializar em levar para casa uma boa pupunha, consultei uma senhora de seus setenta anos, do interior, acostumada a ver a pupunha no pé, perguntei-lhe qual era o método para comprar uma boa pupunha. Ela então me disse, “quando o Senhor vê um cacho de pupunha com algumas delas bicadas por passarinho, pode comprar que é da boa, os passarinhos não comem coisa ruim”.

Eu, ouvi aquele conselho, mas pensei aqui com os meus botões, eu também não gosto de comer coisa ruim e mesmo assim escolho mal minhas pupunhas, pois escolho pela beleza aparente.

Nesta minha angustia por querer saber escolher e lembrando que o povo brasileiro escolha cada tipo para ser político e até governar o nosso país, lembrei-me do trecho da Bíblia, que está no livro dos Reis, quando o profeta Samuel vai a casa de Jessé escolher o futuro rei de Israel. Logo na chegada, ao ver o primeiro filho bonitão, Eliabe, já vai puxando o seu chifre com o óleo sagrado para ungi-lho e ouve de Deus:

E sucedeu que, entrando eles, viu a Eliabe e disse: Certamente, está perante o Senhor o seu ungido. Porém o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a altura da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o Senhor não vê como vê o homem. Pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração.

Tá certo que para escolher um rei, um presidente, um governador, um prefeito ou mesmo um parlamentar, dá para chegar ao coração. Bolsonaro, por exemplo, nunca enganou ninguém, tudo que ele está dizendo ou fazendo já era seu comportamento antes. Como homem, defende a família tradicional, mas está no terceiro casamento. Como militar foi afastado por comportamento incompatível com a carreira. Como deputado nunca apresentou um trabalho relevante. Na política, preferiu favorecer seus filhos. Na ideologia foi sempre de direita e defensor de soluções de força. Mesmo assim, o povo o preferiu como um recado perigoso aos demais políticos, escolhidos sempre pela aparência de suas campanhas milionárias a custa de corrupção.

Mas deixemos a política pra lá e vamos cuidar da nossa pupunha que é mais importante.

Uma punha boa não pode ser aguada, oleosa ou seca demais. Precisa ter as três características de forma moderada. Nem muito aguda, nem muito seca e pouco oleosa. A medida da moderação depende do gosto de cada um, pois a pupunha tem terroir, aquela característica que tem os vinhos e o açaí. Precisa vir de um área pouco alagada e plantada num monturo. As plantadas em linha, como se fosse soldado enfileirados, prestam para palmito, mas o fruto não é bom. O vendedor, acostumado a comprar , escolhe bem o fruto para os seus fregueses, trazendo para feira aqueles que vem de um bom fornecedor, os conselhos dele vale a pena. Também olhe para o cacho e siga a dica da pupunha bicada por pássaros. Na dúvida, compre logo a cozida, provando ali, no tabuleiro do vendedor.

O certo é que escolher uma boa pupunha dá trabalho, claro, e deve ser executada com bastante responsabilidade e afinco. Feita a boa escolha, o prazer é certo. Cozinhar e comer uma boa pupunha com café da tarde, não tem preço.

Leia Mais

Helder Barbalho fala em preservar o meio ambiente explorando minério e criando boi

Qual é a vocação natural do Estado do Pará?

Responder essa pergunta me parece a questão essencial para elegermos o modelo de desenvolvimento adequado e capaz de superar o estágio de pobreza e desigualdade em que vive a maioria dos oito milhões de paraenses.

“Neste contexto, o Pará precisará estar apto e pronto para atrair estes investimentos dentro da vocação econômica natural que tem – mineral, agropecuária e turismo, além de logística – e que servirão de alavanca para a geração do desenvolvimento, de emprego e renda que tanto é clamado por nossa população.
O foco no crescimento sustentável do nosso Estado com olhar atento à responsabilidade social, fiscal e ao aspecto ambiental é inegociável, pois precisamos garantir que nossa riqueza seja aproveitada de forma racional e consciente, e que se reverta em benefício para nossa sociedade no curto, médio e longo prazos.”
Foi o que disse Helder Barbalho em sua mensagem ao povo paraense, através de seus representantes, no ato de abertura do período legislativo.
O Governador acredita que a nossa vocação natural é minério, agropecuária e turismo. Eu acho que temos outras mais sustentáveis que essas as duas primeiras e que não são as nossas vocações naturais, com certeza não são.
 
Dizer vocação natural é o mesmo que dizer nasceu para isso, neste sentido compartilho as minhas reflexões sobre as vocações naturais que estão norteando o pensamento do Governado do Pará e irão dirigir suas políticas, caso não aceite refletir melhor sobre suas consequências.
 
O Pará não nasceu para retirar minério, construir barragens, ficar com os impactos ambientais danosos e gerar uma economia de concentração de riquezas.
 
O Pará não nasceu para retirar a floresta, plantar gramíneas, criar boi ou exportar soja, destruindo seu ecossistema, gerando pobreza e desigualdade.
 
O Pará nasceu para o turismo, agricultura familiar, para explorar as “drogas do sertão”, etc. Mas que tipo de turismo seria a nossa vocação?
Turismo é uma industria limpa, sem dúvida. A equipe do novo Governo, porém, precisa se fazer a seguinte pergunta: três razões pelas quais um turista disposto a gastar US$ 1000 por dia escolheria o Pará como seu roteiro turístico?
Quando essa pergunta for respondida com a cabeça do turista, estaremos prontos para explorar o turismo e gerar riqueza a partir dele.
O Governador afirma que o “aspecto ambiental é inegociável”:
Como não negociar a sustentabilidade da floresta e a preservação dos recursos naturais, garantindo um meio ambiente ecologicamente equilibrado para a geração atual e as futuras, quando se acredita que a vocação natural do Pará é a mineração e a agropecuária, inclusive colocando estas duas vertentes econômicas em primeiro e segundo lugar e o turismo, a única das três áreas eleitas compatível com a afirmação de que o aspecto ambiental é inegociável?
É uma contradição perigosa.
A mineração e a agropecuária não são nossas adversárias,  mas só servirão aos propósitos futuros do estado do Pará se forem tratadas como meio para construir uma economia sustentável e segura, em todos os seus aspectos, incluindo o combate a extrema pobreza e a violência a que estão submetidos ampla parcela da nossa população, baseada em outros setores, que sejam compatíveis com o bioma em que estamos inseridos.
Mensagem de Helder Barbalho aos deputados paraenses
Mensagem de Helder Barbalho aos deputados paraenses

Leia Mais

Livrei o Poder Legislativo do Pará de ser alvo de Gervásio Bandeira

Gervásio Bandeira

Ao ler esta noticia, não tive como não lembrar de um episódio de minha passagem pelo Poder Legislativo do Pará. Na época, como deputado e líder da bancada do PT. Era uma tarde, estava em casa quando fui procurado por um grupo de deputados do PMDB. Eles vinha de uma reunião, que segundo eles tinha ocorrido na RBA, na qual haviam escolhido Gervásio Bandeira como candidato a presidente da ALEPA. Eu era o líder de uma grande bancada meu apoio era decisivo. Chegaram, bateram na minha humilde porta, tomei um susto quando abri e vi um grupo grande de parlamentares todos de paletó e eu em maga de camisas. Entraram e já foram direto ao assunto. Relataram que haviam escolhido o Gervásio, que já tinha apóio de outros partidos, mas que precisavam do apoio da bancada do PT. Disse a eles que não decidia pela bancada. Mas disseram que bastava que eu apoiasse já estaria de bom tamanho. Em troca, me ofereceram uma vaga de conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, um cargo pra lá de cobiçado, uma vez que é vitalício e com muito poder.

Sabendo do histórico do Bandeira, recusei tal oferta. Perdi um cargo de grande importância e até de prestígio pessoal, mas livrei o Pará de ter este senhor a frente dos destinos do Poder Legislativo e do terceiro maior orçamento do Estado. Nunca pedi reconhecimento pelo meu gesto, pois a honestidade é um dever de todo homem público.

O ex-prefeito Gervásio Bandeira, finalmente começa a cumprir a pena de 10 anos de prisão por crime cometido em 1999, há 19 anos atrás, quando era prefeito da pobre cidade de Breves, na Ilha do Marajó. Bandeira assinou um convênio com o Ministério da Integração Nacional, no valor de R$ 408,6 mil, em 2000, os recursos foram sacados na boca do caixa, com cheques avulso assinados pelo próprio Gervásio. O objeto do convênio era a construção de um muro de arrimo na orla da cidade, obra que nunca foi realizada.

O ex-prefeito foi recolhido a uma casa penal neste mês de junho, após todos os seus recursos contra a sentença de primeiro grau se esgotarem, sem que se modificasse a decisão condenatória. O juiz federal Rubens Rolo, determinou então o inicio do cumprimento da pena que será em regime fechado, embora a casa penal onde Bandeira está recolhido, chama-se Centro de Progressão de Pena, que fica na Júlio Cesar, perto do Aeroporto, e abriga preso em regime semi-aberto, talvez seja pelo fato de Gervásio ser ex-deputado.

Leia Mais

As narrativas, a pós-verdade e a verdadeira verdade

O MecanismoAlguns políticos narram suas versões para as histórias em que são protagonistas  com emoção e menos fatos, querendo fazer crer a sua versão sobre o acontecido, baseado em criatividade e em uma mistura de verdades como meias verdades e até imaginações inverossímeis.

Chamam isso, usando um neologism,o de a pós-verdade:  “algo que aparente ser verdade é mais importante que a própria verdade”. Entendeu? Nem eu.

Antigamente, dizia-se: não foi bem assim, meu caro. Também já houve quem dissesse que sobre um mesmo fato pode haver três versões possíveis: a minha; a tua; e a verdadeira. A minha e a tua são, quase sempre, boas narrativas ou pós-verdades. A real é aquela que de fato aconteceu e só com o tempo se revelará sem as tintas das emoções. Uma mentira repetida mil vezes ganha a força da verdade, dizia o propagandista do nazismo.

O processo da Lava Jato é todo baseado em provas, delações e sentenças judiciais. Ali está a verdade processual. Aquela que é possível ser alcançado por meio do processo. Na série da Netflix, denominada “O Mecanismo”, temos uma narrativa baseada em fatos reais, mas recheada pela criatividade do redator, pessoa que não passa de um grande contador de histórias, que completa os fatos reais com sua boa imaginação.

É como contar a história da Arca de Noé sem ter nunca entrada na arca e nem ter vivido o dilúvio. O tamanho da Arca, os dias de chuvas, as espécies que foram resgatadas por Noé, tudo isso está descrito na Bíblia, mas para contar essa história, o narrador terá que preencher as lacunas com sua imaginação.

A Justiça brasileira aprecia fatos e condena políticos. Os políticos envolvidos narram suas pós-verdades. Não é lindo?

É como se estivéssemos em um set de filme. A história de ficção vai sendo construída, mas os funcionários do estúdio vivem um cotidiano que é real, no qual comem, bebem e fazem suas necessidade fisiológicas ali, durante as tarefas de levar cabos, baixar gruas, filmar, gravar, editar…

“Os lábios arrogantes não ficam bem ao insensato; muito menos os lábios mentirosos ao governante! (Provérbios 17:7)

No Brasil, precisamos sair das narrativas e entrar na vida real, construir a verdadeira verdade, pois vamos ingressar no período eleitoral, pelo qual escolheremos os nossos governantes em grande momento de crise, onde o futuro de milhões de pessoas estará em jogo e nas mãos da classe política.

Leia Mais

Derrote políticos viciados

Nesta eleição, a ordem é renovar a política com qualidade. Você topa? Renovar é trocar, mudar, substituir, mas não de qualquer jeito.

O Congresso Nacional em todas as eleições sempre renova 30% dos seus membros, mas isso nem sempre quis dizer mudanças, o eleitor acaba trocando seis por meia dúzia. Veja um caso concreto.

O corrupto do Severino Cavalcante perdeu o mandato. Aplaudimos muito, ele não merecia nos representar. Depois descobrimos que Severino pediu e os eleitores votaram num seu substituto novinho em folha, o deputado Eduardo da Fonte, acontece que o moço é pior e veio com uma folha corrida invejável (Veja processo do Dudu da Fonte)

Agora os corruptos inelegíveis, respondendo processos, alcançados pela Lava Jato e outras operações, não querem perder poder e tencionam eleger seus filhos ou parentes, é o caso de Eduardo Cunha que quer eleger sua filha, Wladimir e o Pastor Josue Bengtson, também.

Renovar na política é renovar com qualidade. É corrigir sempre os rumos da construção do estado democrático de direito. É fortalecer as instituições. É buscar representantes cada vez mais identificado com valores éticos, morais, defensores do bem-comum, dos interesses gerais da sociedade em busca da felicidade como um bem de todos.

O trabalho do eleitor, enquanto cidadão é acreditar nos valores coletivos como seus e garimpar na sociedade os melhores cidadãos para desempenhar essa missão de representa-lo. O desfio é grande, mas nada que um eleitor comprometido não posso alcançar.

Leia Mais

Saiu a nova Pensar Verde

A revista aborda três temas de grande importância e uma entrevista com o presidente Penna. Articulistas de grande relevância escrevem nesta edição. Tem o Gabeira, falando de segurança pública. Tem o ex-presidente da OAB, Marcus Vinicius Furtado e a voz da Transparência Brasil, falando da importância das eleições parlamentares. Tem tudo sobre a Conferência Internacional das Águas. Leia e se gostar, compartilhe com seus amigos e seguidores.

Leia Mais

O Lixão de Marituba continua fedendo

Descobriu-se que uma assessora do Ministério Público e o um engenheiro da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade atuavam em conluiou para favorecer a Guamá, empresa proprietária do “Lixão de Marituba”. O curioso é que as prefeituras, mesmo com toda ilegalidades, mantem os contratos com a empresa e continuam depositando lixo naquele local e pagando por isso. Como a responsabilidade ambiental é objetiva e solidária, por que até agora os prefeitos também não forma denunciados por crime ambiental?

Leia Mais

PP é um partido ou uma quadrilha?

O PP, Partido Progressista é de longe o partido com o maior número de políticos corruptos, presos, processados e sob investigação do Brasil, mas, contraditoriamente,  foi o Partido que mais atraiu políticos na janela aberta para troca de legenda sem perda de mandato, uma invenção a traição, criada pelos os mesmo políticos para burlar a fidelidade partidária.

Antes de saber o que atraiu os políticos para se filiarem ao PP, vale um pouco de história desta legenda que mais parece uma organização criminosa.

A ditadura militar brasileira nos legou muitas tragédias e uma herança maldita que levaremos ainda muito tempo para nos livrarmos.

Uma delas é o PP, Partido Progressista, a mais corruptas de todas as legendas do Congresso Nacional.

O PP era o PPB, Partido Progressista Brasileiros, que antes era o PPR, Partido Progressista Renovador, mas já foi o PDS, Partido Democrático Social, que nasceu do rebatismo da ARENA, Aliança Renovadora Nacional, organização criada em 1966 pelo militares e civis golpistas de 1964, com a ideologia do militarismo, conservadorismo, populismo de direita, nacionalismo, anti-comunismo e autoritarismo, para apoiar e legalizar, dando maioria no Parlamento, as ações autoritárias dos militares.

O PP, herdeiro da ARENA, sobreviveu a abertura democrática, abandonou sua ideologia e adotou a corrupção como forma de sobrevivência. Lembrando que este é o partido de Paulo Maluf, símbolo de mal-feitor mor do país.

Os dirigentes dos Progressistas, criaram um pacote de promessas de muito dinheiro público, através do Fundo Eleitoral e ofertaram aos deputados que desejaram trocar de legenda durante a janela, com isso, atraíram um número significativo de novos filiados com mandatos, foram  06 deputados, chegando a 53 parlamentares, a segunda maior bancada na Câmara dos Deputados. Garantindo o comando de comissões e cargo na mesa diretora.

Isto tudo se transforma em poder para obter cargos e vantagens, trocados por mais dinheiro público e benefícios aos financiadores de campanha.

Por que políticos, em pleno vigor das operações contra corrupção, não temem as punições e continuam correndo atras de dinheiro público ilícito?

O voto dos eleitores brasileiros percorre um caminho, reflexo da desigualdade social e da brutal concentração de renda. A massa de eleitores vive dramas pessoais terríveis e usa o voto como uma bala de prata para buscar solucionar alguns desses dramas. É nessa hora que o dinheiro fala mais alto que as propostas de um novo país. Os políticos corruptos sabem disso e vão a luta em busca dos recursos para “ajudar” os eleitores em troca do voto.

Os deputados que trocaram de partidos se filiando ao partido mais corruptos entre os partidos nacionais, não temem que isso abale seus projetos de reeleição, pois confiam que os eleitores trocaram seus votos por “ajuda”, dada com dinheiro da corrupção.

Os políticos corruptos não mudam, está provado. Quem deve mudar é o eleitor. Se o eleitor nacional parar de pedir “ajuda” e exigir direitos, o país será outro. Derrotar os corruptos e seus modus operandi é a forma de avançar o país e a sua democracia. Tenho fé.

Leia Mais