Skip to main content

Um sistema sem coração

 

Saio pela madrugada em direção ao aeroporto. No caminho vou vendo muitas pessoas dormindo ao relento, embaixo das marquises, deitados nas calçadas umedecidas pela orvalho da madrugada.

Cada vez vejo aumentar o número de pessoas que estão morando nas ruas. Em Roma o Papa Francisco fez uma lavanderia e um restaurante para estas pessoas. Em Nova Iorque são chamados de homelesses ou sem-tetos.

Ninguém prefere morar nas ruas, mesmo que seja em Roma, Londres, Barcelona ou Belém. Desde a pré-história que o homem busca abrigo seguro e confortável nas cavernas ou em tendas, ao lado dos seus.

O que mudou?

Por que estas pessoas não estão em casa, dormindo em uma cama quente ao lado se seus familiares?

Por que o número destas pessoas só aumenta, algumas até sem pátria, longe dos seus países, vivendo no estrangeiro como refugiados?

O mundo dominado pela tecnologia e pelas bolsas é um mundo virtual, sem alma e sem coração. Incapaz de sentir remorsos, seja pela natureza destruída ou pelos humanos mortos.

Quem liderará a resistência ao modelo econômico desumanizado, um verdadeiro titã louco? Thanos?

Leia Mais

Quem lava a roupa suja é o meu pessoal

 

Na entrevista autorizada pelo STF, que concedeu ao El Pais e a jornalista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, o ex-presidente Lula, sempre muito bom com as palavras e encantador para quem o admira, sem críticas, se postou como se fosse um rei falando aos seus súditos ou o próprio deus do Olimpo em busca de vingança ou da correção da falibilidades dos humanos, suas criaturas.

 

 

Em dois trechos, vê-se um Lula salvador da pátria, um semideus da economia e da administração pública, para concluir jogando a senha de que só ele pode salvar esse povo e esse país.

“Se eles lessem alguma coisa, se eles conversassem, eles saberiam que esse cidadão aqui, analfabeto, com um curso de torneiro mecânico, juntou R$ 370 bilhões e dólares de reservas, que a R$ 4 o dólar dá mais de R$ 1,2 trilhão, sem causar nenhum prejuí

zo a nenhum brasileiro.”

“No dia em que eu sair daqui, eles sabem, eu estarei com o pé na estrada. Para, junto com esse povo, levantar a cabeça e não deixar entregar o Brasil aos americanos. Para acabar com esse complexo de vira-lata.”

Ao ler toda a entrevista, incluindo o trecho que diz que errou ao não regulamentar os meios de comunicação, tem-se a impressão que Lula não poder morrer, pois é o único que pode salvar esse país.

Toda entrevista transcorria conforme o Lula havia desenhado. Ele falava direcionado para públicos específicos, incluindo os ministros do STF. Os trechos eram fortes para serem trabalhados pela máquina de propaganda petista. Reforçou toda narrativa da sua prisão e julgamento para se concluir que ali estava o preso político mais honesto e mais importante do Planeta. Seus algozes também estavam delimitados e identificados nas figuras de Moro e Dallagnol. O adversário político a Bolsonaro e seus malucos. O PT traçado como o único partido brasileiro nacional e capaz de libertar o povo. Eis que a genialidade da perguntadora Mônica Bergamo, desnudou o mito eo deixou cara a cara com sua natureza humana, revelando o método que o faz limpo e sem contato com as sujeiras que o levaram a condenação por corrupção e lavagem de dinheiro.

“O sr. lava suas roupas? Não. Eu mando para o meu pessoal lavar.”

Lula não lava a sua própria sujeira e tem sempre pessoas prontas para assumir e lavar tudo o que ele suja. Foi assim a vida inteira. No Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, no Partido dos Trabalhadores e no Governo. Lula nunca quis saber como se lava a sujeira que ele e seu governo foram deixando pelo meio do caminho.
Sempre teve o “meu pessoal” para assumir as roupas sujas.

Lula se sentem limpo e isso se explica pelo lado mais humano possível, ele não tem contato com a sujeira, as roupas, os apartamentos, os sítios, as palestras, o Instituto, tudo vem limpo e sem qualquer mácula. O seu pessoal providenciam a lavagem.

A pergunta da Mônica foi como a cena  do menino que viu o rei nu, dai a genialidade e o compromisso do bom e velho jornalismo sem regulamentação dos meios de comunicação, que neste país significa censura.

Leia Mais

História das Igrejas de Belém: Igrejas de Nossa Senhora das Mercês

Quando Pedro Teixeira, voltou da expedição do Amazonas, vieram com eles dois religiosos da Ordem Calçada de Nossa Senhora das Mercês: Frei Pedro de La Rua Cirne e Frei João da Mercês. 

Esses religiosos permaneceram em Belém, iniciando em 1640 a construção da Igreja e do Convento das Mercês, originalmente de taipa.

Mais tarde, em 1753, foi reconstruído em alvenaria de pedra, com traço do arquiteto italiano Antônio José Landi em estilo barroco primitivo.[2]

A Ordem dos Mercedários permaneceu no Pará até 1777, quando foi expulsa pela Coroa Portuguesa.

Na Cabanagem, a chamada “batalha do Trem de Guerra” (1835), quando os revoltosos tentaram tomar de assalto o “Trem de Guerra”, armazém militar então instalado nas dependências do antigo convento. Os atiradores legalistas, postados no alto dos casarões circundantes, repeliram os cabanos, tombando 800 destes. Entre eles contava-se o líder, Antônio Vinagre, que, aos vinte anos de idade, caiu com um tiro na testa, na esquina da rua João Alfredo com Frutuoso Guimarães.

Leia Mais

Construir uma sociedade livre, justa e solidária

Uma multidão, incluindo você, não foi aos atos para gritar Lula Livre e nem foi para os atos pro-Bolsonaro.

Você, como a maioria dos brasileiros, não concorda com esta mulher, muito menos com a agressão destes três homens.

Mas você não estava satisfeito com o Brasil petista e nem está agora com o Brasil bolsonarista. Eles se parecem muito um com o outro, seus métodos são os mesmos, pela esquerda e pela direita.

O Brasil é maior que essas duas ideologias atrasadas. O nosso país é rico e tem um povo trabalhador que deseja respeito, paz e um futuro, com dignidade.

Temos muitas feridas abertas e queremos trata-las uma a uma. Mas esses dois grupos tem por objetivo sangra-las para arrebatar a sociedade pela dor.

O machismo precisa ser banido. O femininos precisa ser combatido. A pobreza e a desigualdade precisam ser extintas. O meio ambiente precisa ser equilibrado. Os índios, precisam ser defendidos. Os negros precisam de igualdade racial. Os homossexuais precisam de respeito.

O Brasil já sofreu muitas ditaduras, as duas últimas, a ditadura varguista e a militar, deixaram sequelas e aumentaram as feridas nacionais.

Tudo pode ser alcançada com democracia, instituições fortes e transparentes nas mãos de todos os brasileiros e não aprisionadas por grupos ou corporações.

Chega de manipulação a esquerda e a direita. Queremos um Brasil forte e rico para todo o povo. Queremos o que está escrito no art. 3.º da nossa Constituição Federal.

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:

I – construir uma sociedade livre, justa e solidária;

II – garantir o desenvolvimento nacional;

III – erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;

IV – promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

Leia Mais

Quem sabe escolher pupunha, saberá escolher o presidente da república?

Na vida, fazer boas escolhas é sempre muito difícil. Escolher é um jogo de acertos e erros. Muitas vezes, para escolher, levamos em conta a aparência, o que está diante dos olhos e não perscrutamos, investigamos, sondamos, para chegar até ao coração daquilo que desejamos escolher.

De todas as escolhas difíceis, acho escolher pupunha boa uma das piores.

Sei que você pensou em outras escolhas da vida, que também são difíceis. Mas nem uma delas chega aos pés de escolher na feira e levar para casa uma boa pupunha e receber os elogios da família.

Na vida sempre somos instado a escolhas. Escolher uma profissão de futuro. Um parceiro ou uma parceira. Um bom candidato a presidente da república, tudo é tão difícil…

Eu concordo que dá um certo trabalho, mas, meu amigo, escolher pupunha boa é uma ciência. Todas elas são jeitosas e têm sempre uma cara boa, o problema é depois de cozinhá-las. Ai verdade vem a tona. É a prova de fogo.

As vezes a bichinha está lá no Ver-o-peso, toda, toda, você compra, leva para casa, bota no fogo para cozinhar, prepara o café, e fica só na espera, quando a pupunha larga do talo, tira-se da panela ainda quente, descasca-se, ai, na hora de comer, pode ser aquela decepção.

As demais escolhas, mesmo as mais fáceis, também podem decepcionar, eu concordo. Mas para todos elas existem remédios. No caso da pupunha é que não tem. Da feita que comprou e cozinhou ou presta ou foi uma escolha errada e não tem remédio.

Certa feita, querendo me especializar em levar para casa uma boa pupunha, consultei uma senhora de seus setenta anos, do interior, acostumada a ver a pupunha no pé, perguntei-lhe qual era o método para comprar uma boa pupunha. Ela então me disse, “quando o Senhor vê um cacho de pupunha com algumas delas bicadas por passarinho, pode comprar que é da boa, os passarinhos não comem coisa ruim”.

Eu, ouvi aquele conselho, mas pensei aqui com os meus botões, eu também não gosto de comer coisa ruim e mesmo assim escolho mal minhas pupunhas, pois escolho pela beleza aparente.

Nesta minha angustia por querer saber escolher e lembrando que o povo brasileiro escolha cada tipo para ser político e até governar o nosso país, lembrei-me do trecho da Bíblia, que está no livro dos Reis, quando o profeta Samuel vai a casa de Jessé escolher o futuro rei de Israel. Logo na chegada, ao ver o primeiro filho bonitão, Eliabe, já vai puxando o seu chifre com o óleo sagrado para ungi-lho e ouve de Deus:

E sucedeu que, entrando eles, viu a Eliabe e disse: Certamente, está perante o Senhor o seu ungido. Porém o Senhor disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a altura da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o Senhor não vê como vê o homem. Pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração.

Tá certo que para escolher um rei, um presidente, um governador, um prefeito ou mesmo um parlamentar, dá para chegar ao coração. Bolsonaro, por exemplo, nunca enganou ninguém, tudo que ele está dizendo ou fazendo já era seu comportamento antes. Como homem, defende a família tradicional, mas está no terceiro casamento. Como militar foi afastado por comportamento incompatível com a carreira. Como deputado nunca apresentou um trabalho relevante. Na política, preferiu favorecer seus filhos. Na ideologia foi sempre de direita e defensor de soluções de força. Mesmo assim, o povo o preferiu como um recado perigoso aos demais políticos, escolhidos sempre pela aparência de suas campanhas milionárias a custa de corrupção.

Mas deixemos a política pra lá e vamos cuidar da nossa pupunha que é mais importante.

Uma punha boa não pode ser aguada, oleosa ou seca demais. Precisa ter as três características de forma moderada. Nem muito aguda, nem muito seca e pouco oleosa. A medida da moderação depende do gosto de cada um, pois a pupunha tem terroir, aquela característica que tem os vinhos e o açaí. Precisa vir de um área pouco alagada e plantada num monturo. As plantadas em linha, como se fosse soldado enfileirados, prestam para palmito, mas o fruto não é bom. O vendedor, acostumado a comprar , escolhe bem o fruto para os seus fregueses, trazendo para feira aqueles que vem de um bom fornecedor, os conselhos dele vale a pena. Também olhe para o cacho e siga a dica da pupunha bicada por pássaros. Na dúvida, compre logo a cozida, provando ali, no tabuleiro do vendedor.

O certo é que escolher uma boa pupunha dá trabalho, claro, e deve ser executada com bastante responsabilidade e afinco. Feita a boa escolha, o prazer é certo. Cozinhar e comer uma boa pupunha com café da tarde, não tem preço.

Leia Mais

A realidade de pobreza e miséria é maior que as ideologias

O Governo deveria governar para os mais necessitados, os pobres e os miseráveis do país. E o Governo sabe o número de pobres e miseráveis que temos, assim como também sabe quem são os bilionários e milionários.

Ah, sabe! E sabe por diversos meios oficiais.

Começa pela Receita Federal. A Receita, órgão considerado o mais sério dos órgãos públicos brasileiros, tem um cadastro de pessoas físicas. Depois a Receita tem os declarantes de imposto por faixa de rendas. E tem os isentos, que por não terem renda não declaram. Pronto, é só mandar o computador, através de um simples programa, ler o banco de dados e separar os ricos dos pobres e os pobres dos miseráveis, os que tem, dos que não tem, teremos os pobres e miseráveis que necessitam de assistência pública e programas sociais.

Não quer usar os dados da Receita Federal ou eles não vos serve? Tá bem, vamos a outro indicador.

Use então a base de dados dos CADÚNICO. “Esse conjunto de dados apresenta a quantidade de famílias em situação de pobreza e extrema pobreza, o total de famílias e pessoas cadastradas no Cadastro Único, assim como o município e o ano/mês de referência.”

Para decidir qual o universo prioritário das ações do governo nem um desses indicadores estão servindo, nem o IBGE, que é de esquerda, por que não consultar a  base de dados da previdência social?

Quem pode receber benefícios como o BPC ( Benefício de Prestação Continuada), são os idosos a partir de 65 anos e os portadores de deficiência física, mental, sensorial ou intelectual, desde que o impedimento da deficiência dure pelo menos 2 anos.

Tem ainda os dados do CAGED que é  o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – CAGED, que foi criado como instrumento de acompanhamento e de fiscalização do processo de admissão e de dispensa de trabalhadores regidos pela CLT, com o objetivo de assistir os desempregados e de apoiar medidas contra o desemprego.

Por último, o Governo pode se valer dos dados da educação, do bolsa família, do IDH, em fim, por tantos meios disponíveis o Presidente da República e os Congressistas saberão que somos um país desigual e constituídos por uma maioria de pessoas vivem abaixo da linha da pobreza.

Ao verificar essa realidade, que se impõe sem qualquer margem para debates ou discordâncias, só resta uma saída, trabalhar e trabalhar muito para reverte esse quadro terrível que não é de esquerda e nem de direita, é humano. cristão, judeus, muçulmano, espirita, umbandista…

Combater a pobreza e a miséria nos colocará unidos por uma causa que está acima das ideologias e dos partidos políticos.

Virar as costas para essa realidade e continuar estimulando o ódio, as disputas estéreis vão adiar por muitos anos, com consequências terríveis, o futuro do nosso país. Como dizem os internautas, simples assim.

Leia Mais

Santos Dumont e a morte das abelhas

Viver a vida com limites e respeito a natureza

“Alguém, sabe me dizer onde encontro a feira de produtos orgânicos, destes que vem direito da roça e dizem que faz muito bem para saúde?”, perguntou o vizinho do 501, dirigindo-se as pessoas que estavam ali pela portaria do prédio residencial onde mora.

O porteiro fez que não ouviu ou se ouviu não sabia o que era produto orgânico, para ele, era coisa dessa gente metida a besta, que gosta de inventar moda. 

Já o tenente reformado, que saia para passear com seu cachorrinho de estimação, homem, que por ter muito tempo livre, sabia de quase tudo que rola na cidade, foi logo dizendo: “Vizinho, hoje a feira está lá na Praça Santos Dumont”

“Praça Santos Dumont, onde ficaria?”, pensou o morador, que estava ansioso pelos produtos limpos e vindos direto da natureza, sem os tais agrotóxicos, um mal medonho para saúde. Ele que morava a tanto tempo em Belém, agora estava em dúvida sobre a localização de uma praça da cidade. 

A rede Globo faz propaganda da agricultura que usa agrotóxico. A propaganda diz que Agro é Tech, que tech que nada! A propaganda quer é associar o mal ao bem, ao tecnológico, para dourar a pílula. Mas não adianta, não doura não.

A ciência já revelou que esses produtos lindos, certinho, sem manchas, bonitos de se ver, que estão nas prateleiras dos supermercados, são assim artificialmente e não porque a natureza o quis.

Estudos comprovam que a exposição da população a certas substâncias usadas na indústria química causam distúrbios neurocomportamentais. Embora os traços de glifosato em cada alimento possam não ser grandes, o seu efeito cumulativo é o verdadeiro motivo de preocupação.

A vida moderna está muito artificial. Manipulada pelo homem que manda no dinheiro e sempre quer obter lucro com tudo que vê pela frente, lucro só não, também quer o poder, pois os dois andam juntos, de braços dados e se protegem.

Essa industria apressam a vida do boi, do frango, da cenoura, da batata, fazem-nas de escravas do seu sistema de produção em larga escala. É um sistema em crise. Num ponta produz-se muito, perde-se muito, lucra-se muito. Na outra ponta, a fome e a busca por alimento é uma triste realidade que ceifa milhões de vidas todos os anos.

Nada mais é duradouro nessa vida de modernidade líquida, disse Bauman.

Uma rua está assim, no outro dia já está mudada. As fachadas das lojas do comércio, então! Uma hora estão de um jeito, ai vem um chinês, que a gente nem sabe como eles chegam por aqui, vindo de tão longe, com seus plásticos e microchipe, aluga, coloca uma fachada e esconde a beleza do prédio original da belle epóque.

Até as farmácias, que antes eram escritas como ph e faziam o remédios na hora, de acordo com a doença e com a cara do freguês, hoje são construídas, uma em cada esquina, em menos de 24 horas. Você passa hoje é uma padaria, vem amanhã e já tem uma dessas lojas. Até ali no Baenão já construíram uma. Qualquer dia vão colocar uma dessas farmácias ao lado da Igreja da Sé ou da Basílica, ai vai ter revolta, pois era só o que faltava!

“Vizinho, a Praça Santos Dumont é a mesma Praça Brasil, que os antigos até apelidavam de Praça do Índio, por causa daquela estatua em bronze, importada da Alemanha pelo dono do Armazém Guarani, um que ficava ali na 15 de Novembro”, disse-lhe o Tenente do cachorrinho.

As galinhas de granja, brancas, sebentas, gordurosas, aquilo é só hormônio e faz muito mal para as pessoas. Os bois daqui dizem que é boi verde, como verde, se para crescer precisou de pasto, que ocupou o lugar da floresta, pasto que foi plantado e mantido com muito produto químico. 

O vizinho do 501, agradeceu, se despediu e foi a suas compras de produtos naturais, sem os venenos da modernidade. 

Na Praça, a feira estava lá, mas foi direto ao monumento que fica no centro da Praça, certificar-se da mudança, quando viu a placa nova, de 1996, anunciando a reconstrução da Praça Santos Dumont, pelo prefeito Hélio Gueiros, já com a nova nomenclatura.

Mudaram mesmo o nome e nem avisaram, será que um prefeito tem tanto poder assim? Pensou consigo mesmo, enquanto caminhava até a feira. 

As pessoas vão se acostumando as mudanças repentinas, como se a vida fosse digital, igual a timeline do foi facebook, ali as noticias passam rápido pelas nossas vistas e nem dá tempo de fixa-las na mente, muito menos, os fatos maturam o suficiente para transforma-se em conhecimento e daí gerar a sabedoria. Assim como vem, se vão e são substituídos por muitas outras informações. Uma morte anunciada no face, logo é substituída por outra tragédia, mais outra e outra, num processo de banalização completa.

Nas barracas da feira de orgânicos, os vendedores são os próprios produtores. Uma senhora pergunta porque o mel de abelha está mais claro. A moça explica que a cor do mel depende da florada. Ovos caipira são bem menores, mas a gema é vermelha que dá gosto. O mamão e a laranja tem marcas do seu crescimento natural. Aquilo são produtos elaborados e maturados pela natureza, no tempo apropriado.

Uma galinha, pelo processo natural leva no mínimo 90 dias para ser abatida, enquanto que a da granja, cheia de antibióticos, estará pronta em apenas 40 dias. Comparando ao cozimento de alimento, se o fogo for muito alto, cozinhara bem mais rápido, preparando o alimento em menor tempo, mas o sabor não será o melhor, os temperos não se misturarão adequadamente, não ocorrera a química perfeita e a coacção.

O vizinho se abasteceu dos produtos mais saudáveis que tinha por lá, na volta, parou novamente no monumento, agora pelo lado da Senador Lemos e viu que a placa original, de 1937, quando governava o Pará o interventor federal Magalhães Barata, ainda continuava no mesmo lugar. Em cima do monumento de 4 metros de altura, o índio do Armazém Guarani, objeto de prosa do poeta Rodrigo Pinajé, também estava lá. O que mudou, afinal? 

Ele não era contra a modernidade e as boas invenções humanas, nem as descobertas dos produtos químicos e das facilidades tecnológicas, nem era contra a homenagem a Santos Dumont, afinal o seu invento é uma maravilha da inteligência humana. Questionava a mudança sem o bom propósito ou o uso dessas novidades para permitir o exagero, o lucro e o poder pelo poder. 

Lembrava dos caças japoneses se atirando com o piloto como se fora uma arma letal ou daquele avião com a bomba, jogada sobre Hiroshima. Lembrava agora do avião agrícola jogando muitos litros de veneno sobre o pomar, matando as pragas, mas também milhões de abelhas, coitadinhas, fecundadoras das plantas, as polinizadoras da natureza e que para todo esse enorme benefício a humanidade cobram tão pouco.

O avião não foi feito para matar as abelhas e Santos Dumont merece toda nossa homenagem.

Leia Mais

Reforma Previdenciária atinge a extrema pobreza

Você já ouviu falar em BPC? Não? Pois é um beneficio pago pelo Estado a pessoas acima de 65 anos, cuja renda familiar é de até 1/4 do salário mínimo ou R$249,5.

No Brasil temos 2,05 milhões pessoas nessas condições e que recebem um salário mínimo referente ao Benefício de Prestação Continuada ou citado BPC.

Na proposta de reforma da previdência o governo do presidente Jair Bolsonaro resolveu mudar isso dai.

E como ficará se a proposta apresentada pelo Ministro Paulo Guedes for aprovada?

Um salário mínimo seria pago para pessoas com 70 anos e renda familiar de um quarto de SM. Para pessoas com a mesma renda familiar e com idade entre 60 e 69 anos o valor baixará para apenas R$400.

O que você acha disso?

Foto: DOL

Foto: DOL Pará
Foto: DOL Pará

Leia Mais

O que fazer com o nosso lixo de Belém, Ananindeua e Marituba?

Uma sessão pública foi realizada, nesta segunda-feira, 25/03, na Assembléia Legislativa do Estado do Pará, por iniciativa da deputada Marinor Brito, com a presença de catadores do Aurá e de moradores de Marituba, o prefeito Mário Filho, a deputado que representa a comunidade Michelle Begot, vereadores e pesquisadores, para discutir o que fazer com todo o lixo produzido na Região Metropolitana de Belém.

São mais de duas mil toneladas dia, que estão causando transtornos e muito e muito impacto ambiental, que tende a piorar com a possibilidade de o Aterro encerrar sua atividade no final do mês de maio, sem que até a presente data não se tenha uma única solução viável trazia a lume pelas Prefeituras e Governo do Estado.

De onde vem tanto lixo e para onde ele vai?

O lixo sai das casas das famílias, dos serviços urbanos, dos descartes de feiras, do comércio, das empresas que prestam serviços diversos e da indústria, incluindo a industria da construção civil.

A produção de lixo vem aumentando ano após ano por causa do modelo de produção e do consumo empregado no país. Os materiais são produzidos e já saem das fabricas para serem descartados em pouco tempo de uso, forçando sempre o consumo em ritmo cada vez mais alucinante, fazendo a economia girar e extrair lucro que é concentrado nas mãos de poucos, ficando os impactos para muitos.

Todo esse lixo, mesmo os que passam por algum tipo tratamento, incluindo a reciclagem, ao fim e ao cabo vai direto para natureza, atingindo o solo, poluindo o ar com metano e os cursos d’água, atingindo as pessoas e sobre elas jogando toda a sorte de doenças.

O lixo é o descarte final de um processo industrial equivocado e predatório.

Aquilo que se transforma em lixo, foi antes um bem natural importante e seu caminho até o aterro, começa com a retirada de matéria-prima virgem direto da natureza. Ao chegar na indústria, busca-se a técnica para produzir pelo menor custo, utilizando matérias de baixa qualidade, com muito impacto socioambiental e com a possibilidade de obsolescência programada, que significa “feito para jogar fora”.

O produto, depois que sai da fabrica, por intermédio de uma rede de logística planejada chega as prateleiras de supermercados e lojas, e, pela mágica do consumismo, vai direito para casa das pessoas ou para outros ramos da economia. Depois do uso, por pouco tempo, o produto é descartado e dai volta para natureza, não mais como saiu de lá, limpo, cheiroso, sadio, mas agora agregado a químicos e metais pesados, incluindo metais radioativos, usados na sua fabricação.

Este é o triste caminho traçado por um modelo de desenvolvimento perverso, tanto para as pessoas quanto para o meio ambiente.

Discutir o destino final do lixo da Região Metropolitana de Belém é uma urgência em função do fechamento iminente do Aterro Sanitário de Marituba, mas o debate está indo para as suas consequências, quando deveria ter começado pela causa e pelo início do processo de consumo que deveria ser consciente e com o descarte adequado.

É imperioso que se resolva a emergência do destino final de, repito, duas toneladas diárias de lixo, antes de Maio, prazo dado pelo Ministério Público e pela Empresa para o fechamento do único aterro sanitário existente na Região Metropolitana, porém, qualquer que seja a saída de emergencia, não será a solução definitiva para o problema.

As prefeituras devem, alias tem obrigação legal, de planejar as soluções de longo prazo, que, inexoravelmente, terá  que passar pela implantação da Política Nacional Resíduos Sólidos, previsto na Lei n.º 12.305/2010.

Nesta lei, o legislador, planejou a melhore mais racional solução.

Por esta política, aqueles que produzem resíduos tem obrigação de resolver o destino final ambientalmente correto do lixo produzido, que passa pela logística reversa, que é quando os resíduos voltam para as mãos de quem o produziu; a coleta seletiva, que é a separação do lixo úmido do resíduo seco, coletado por cooperativas de catadores e devolvidos as fábricas como matéria-prima para reutilização e reciclagem; ficando para o destino final adequado apenas uma pequena quantidade, que deve receber o tratamento adequado, evitando causar impacto a população e ao meio ambiente.

Quanto a emergência, referente ao destino final e o fechamento do Aterro em Marituba, as três prefeituras devem fazer urgente um consórcio Metropolitana para aplicação da Politica Nacional de Resíduos Sólidos, lançar um edital conjunto chamando as empresas para que apresente a melhor solução técnica e econômica para tratar as mais de duas toneladas de lixo. Chamar a empresa contratada e com ela assinar um contrato emergencial. Devem urgentemente implementar a Coleta Seletiva nas três cidades e aplicar a lei as empresa, exigindo delas os seus planos de gestão de resíduos sólidos.

Tem um último aspecto do problema, que o dano atual feito em Marituba e no Aurá, para isso é necessário a existência de uma plano de encerramento e recuperação ambiental das duas áreas, bem como apurar as responsabilidades para punir quem deu causa a tamanho crime ambiental.

Leia Mais

O tempo pede coração civil

– Coloca ai um Milton Nascimento, pedia um dos frequentadores assíduos do Boteco dos Amigos. 

Mas os tempos estão bicudos e a intolerância não escolha hora para se manifestar. Até nos lugares de recreios o radicalismo ingressou sem pedir licença. 

Quando o caixa, que controlava o som, ia perguntar a preferência, e antes que o freguês disse que desejava escutar “Coração Civil”, de uma outra mesa, lá no fundo, ouviu-se um brado.

– chega de badalar esses artistas gay e maconheiros, que vivem da Lei Rounet, respeitem a maioria, disse o homem, apoiado por todos da sua mesa.

Fez-se o impasse. O conflito era iminente. O clima ficou tenso.

O funcionário do Boteco acostumado a harmonia e o respeito as diferenças por ali, era o que fazia o charme do lugar, sem saber o que fazer, fez o som emudecer, como se protestasse para dizer, nem uma coisa nem outra, vamos nos entender.

O freguês, que havia pedido a música do Bituca, acendeu um cigarro, pegou seu copo e saiu para o ar livre, cantarolando, sem se intimidar:

“Sem polícia, nem a milícia, nem feitiço, cadê poder?

Viva a preguiça, viva a malícia que só a gente é que sabe ter

Assim dizendo a minha utopia eu vou levando a vida

Eu viver bem melhor

Doido pra ver o meu sonho teimoso, um dia se realizar”

Leia Mais