Skip to main content

Cidadão e eleitor dois indivíduos iguais com papeis diferentes

5ad9babd-7501-40b1-8998-a4d0041c47ce

A democracia brasileira é um arranjo para manter o status quo, deixar tudo como está, sem perigo para os que detém o poder. Duas palavras são fundamentais em uma democracia: Eleitor e Cidadão. Cidadão é o que exige que o poder emane sempre do povo e em seu nome tudo seja cumprido. Eleitor é o que escolhe os representantes. Estes dois termos, aqui, são apenas figurativos. O cidadão é um igual, aquele que senta na mesa e opina com as mesmas condições.

No Brasil, a exclusão social, as discriminações e a concentração de rendas nas mãos de poucos, desiguala as pessoas, criando cidadãos de primeira, de segunda e até de terceira classe. O eleitor participar pouco do processo de escolha. Apenas em um dia, com os pratos feitos pelos caciques partidários lhes são exibidos. Não interfere na maior parte do processo de escolha dos representantes e depois que vota, nunca mais é consultado para nada. Um deputado, com ataque de sinceridade extrema, disse que o mandato era seu e fazia o que lhe convinha.

O cidadão e o eleitor deveriam se tornar uma só pessoas no momento da escolha dos representantes. Assim a democracia representativa se fortaleceria. Na urna, porém, nem o cidadão e nem o eleitor estão juntos. Ali, a maioria, são de pessoas em indigência. excluídos socialmente, sem rendas, cheios de drama pessoais, pessoas que percebem a realidade diferente do que ela realmente é, posto que influenciado pela mídia que mais desinforma do que ajuda ao povo enxergar sua própria realidade. Este quadro produz resultados eleitorais sempre ilegítimos, onde os algozes são eleitos pelos oprimidos, numa verdadeira síndrome de Estocolmo.

Os poucos cidadãos, que por seus próprios meios, conseguem se libertar, constituindo partidos ou movimentos libertários, enfrentam grandes dificuldades para obter adesão de seus iguais. As regras feitas pelos que detém o poder lhes são impeditivas. Enfrentam a ante-propaganda e as ausência de meios para convencer seus eleitores de que representam a liberdade para todos. A democracia é um processo custoso, o processo é longo e penoso, cheio de desertos, de voltas, de idas e vindas, como se fosse o caminho até a Terra Prometida. O importante é continuar caminhando em frente, em um única direção: a liberdade.

zecarlos

Advogado, pós-graduado em Direito Ambiental, especialista em povo, principalmente o povo paraense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *