Skip to main content
img_4040-1.jpg

Todo dia é um novo 7 x 1

Todos os dias, o povo brasileiro acorda com um novo sete a um. É corrupção. É aumento de impostos. É um governo ilegítimo. É o fantasma da volta da inflação. É o preço do combustível sendo reajustado diariamente.

Desta vez, o sete a um foi a greve ou locaute dos caminhoneiros ou empresas de cargas que parou o Brasil de ponta a ponta.

O protesto era contra a política de preços praticada pela Petrobras, dirigida por Pedro Parente. A Petrobras já foi a nossa seleção brasileira, até que em 2015 deu o seu primeiro prejuízo bilionário, levou a sua primeira goleada, depois de ter escalada diretores indicados por partidos políticos aliados ao governo.

Foi uma surpresa decepcionante para o Brasil descobrir que Petrobras estava passando por sérios problemas. Logo esta empresa que é o orgulho nacional, que é pioneira em tecnologia de exploração de petróleo em águas profundas, que nos deu a esperança de ser autossuficiente, após a descoberta de gigantescas reservas  na camada do pré-sal e que até investiu em um refinaria da Boliva e em Pasadena no Estados Unidos. Era como se o país estivesse preparado para ganhar a copa de economia do primeiro mundo.

A crise política que o Brasil se meteu nos últimos anos nos leva a pensar em paralelo com o nosso futebol. Naquela terça-feira, 08 de julho de 2014, o brasileiro acordo de peito estufado. As famílias e os amigos se encontraram para o churrasco e a cerveja, todos a frente da televisão. A copa era nossa. Iríamos levar a taça dentro de casa, no estádio do Mineirão. Os palpites davam vitórias magras ao Brasil, afinal o adversário era a Alemanha, mas nunca um empate, jamais uma derrota, muito menos uma goleada.

Bastaram apenas onze minutos de jogo para a realidade nos acordar do sonho de ter o melhor futebol do mundo. O Brasil viu o sonho de ganhar um copa do mundo em casa ir se esvaindo nas chuteiras alemãs. Thomas Müller marcou o primeiro gol. Em seis minutos, quatro gols a mais davam como certa o vexame apelidado de mineiraço. O primeiro tempo terminou com os inacreditáveis cinco a zero. A cerveja perdeu o sabor. As pessoas se olhavam sem acreditar no que estava acontecendo.

Em Curitiba, em uma Vara Federal, um doleiro negociava a colaboração premiada com o Ministério Público e marcava o primeiro gol contra a nossa principal empresa. Quando o acordo foi fechado, o Brasil conheceu o maior escândalo de corrupção da história recente. Em seguida, após a delação do doleiro, vieram os Paulo Roberto Costa, Pedro Barusco, Jorge Zelada, Nestor Cerveró, Renato Duque, etc. Depois destas prisões, foi a vez da classe política ser presa, pois era ela que indicava os diretores que saquearam a nossa Petrobras e o sonho do Brasil ser uma nação que superou a pobreza, a miséria e as desigualdades sociais, como nos foi prometido pela Constituição Federal.

Assim como a derrota para Alemanha mostrou que o país do futebol vivia uma farsa, a greve dos caminhoneiros, o nosso mais novo sete a um, expôs a fragilidade econômica do país, que apostou em transportar todas as suas mercadorias, incluindo combustível  e medicamentos, por rodovias. O país tornou-se dependente de petróleo para se mover. Somos um gigante super frágil.

A população parece que ainda não queria acreditar que a Petrobras tenha feito 125 reajuste de combustíveis em cinco meses. Como não estava acreditando que em poucos dias, os postos de combustíveis estava sem o produto para abastecer seus veículos. Remédios deixaram ser entregues. Verduras e legumes começaram a faltar. Voos foram cancelados por falta de querosene de aviação.

Os caminhoneiros estavam derrotados pelo preço diesel sendo reajustado quase que diariamente. O valor acertado no inicio do frete, não paga o custo da manutenção do caminhão e do combustível para o abastecimento. Além do custo do diesel, os caminhoneiros suportam grande peso vindo dos pedágios.

A greve dos caminhoneiros durou sete dias e vai chegando ao fim, com um novo acordo anunciado pelo Governo Temer. O país, do jeito que está, sem um comando legitimo a frente do governo, dividido por projetos radicais, com sua instituições fragilizadas pela corrupção, sabe que mais derrotas ainda virão por ai e, neste ano de copa do mundo, não cansa de se perguntar: quando acontecerá um novo sete a um?

zecarlos

Advogado, pós-graduado em Direito Ambiental, especialista em povo, principalmente o povo paraense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *