Skip to main content
Perigos da Percepção

Perigos da percepção

O conhecimento da realidade é que nos libertará

Os brasileiros estão presos na caverna de Platão. Acorrentados a parede da miséria, da desigualdade social, do controle da mídia por grandes corporações, enxergam a vida pelas imagens construídas nas telas de leds, a partir das redações e escritórios de noticiais pagas e dirigidas.

A ausência de conhecimento da realidade é gritante. Por mais que se queira libertá-los, a distância entre a percepção e realidade é tão grande que não acreditam que seja possível essa liberdade.

A pesquisa da Ipso “Perigos da Percepção 2017” mostra que o Brasil é o terceiro país onde o povo vive mais fora da sua realidade em todo os outros países do mundo. Isto é grave.

Um resumo do Livro de Platão

“O seu mundo ‘real’ era formado por sombras de estatuetas de homens, de animais, vasos, bacias e outros vasilhames, refletidas na parede da caverna. Como só podiam enxergar essas imagens distorcidas, concluíam que eram verdadeiras. A existência desses prisioneiros era inteiramente dominada pela ignorância e contentamento com o que é superficial.

Certo dia, um dos prisioneiros resolveu libertar-se e voltar-se para o lado de fora da caverna. No início, ao sair da caverna e das trevas que ali reinavam, ficou cego devido à claridade vinda de fora. Gradativamente, seus olhos foram se acostumando à claridade e vislumbraram um outro mundo, com natureza, cores, “imagens” diferentes do que antes considerada verdadeiro. O universo da ciência (gnose) e o do conhecimento (episteme), por inteiro, se abria perante ele, podendo então vislumbrar o mundo das formas perfeitas ou o mundo da verdade, do conhecimento verdadeiro. Maravilhado com o conhecimento, ele voltou para dentro da caverna para narrar o fato aos seus amigos ainda acorrentados, com o intuito de também libertá-los, mas eles não acreditaram nele e revoltados com a sua “mentira”, acostumados a permanecerem na “zona de conforto”, ameaçaram matá-lo.”

O “Mito da Caverna”, escrito entre os anos de 380 e 370 a.C., ainda é a nossa realidade aqui no Brasil. Percebemos o que nos deixam perceber. Vivemos fora fora da realidade. Achamos, por exemplo, que todas as pessoas que estão em atividade política são corruptas, que todos os partidos tem a mesma prática e por isso devem ser banidos como um todo. Vamos acabar matando quem pode nos ajudar a alcançar a liberdade.

zecarlos

Advogado, pós-graduado em Direito Ambiental, especialista em povo, principalmente o povo paraense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *