Skip to main content
Tipógrafo

Viva o Dia 7 de Fevereiro, Dia Nacional dos Gráficos

Tipógrafo
Tipógrafo

Dia 7 de Fevereiro é o “Dia Nacional dos Gráficos’, um profissão bem antiga e muito importante para a propagação da escrita e, por conseguinte, da cultura, socializando livros como a Bíblia, o Alcorão e tantos outros. O Dia 07 é porque nessa data, em 1923, aconteceu uma grande greve dos gráficos em São Paulo, liderada por João da Costa Pimenta.

Separei de propósito a foto que mostra uma caixa de tipos móveis, objeto de trabalho do “Tipógrafo”, responsável por montar as matrizes, juntando letra por letra, formando a palavra, a frase e o texto, que seria então entregue ao impressor, para que a máquina fizesse as cópias, que depois de encadernada, viraria o livro, eternizando a tese a palavra de “Deus”, a tese do cientista, os pensamentos dos filósofos, o romantismo do poeta.

Tudo isso é passado. O jovem que tecla um texto no computador para produzir um e-book, ao escolher a fonte de tipo que vai utilizar, muitas vezes nem sabe que Times New Roman foi um dia um tipo de chumbo que deu personalidade ao Jornal The Time.

A evolução gráfica acompanhou a evolução do computador. Os textos saíram das caixas de tipos e foram unidos em uma barra de chumbo produzida pela máquina de linotipo. O linotipo cedeu lugar as máquinas de escrever IBM, que logo evoluíram para uma gigantesco computador, que produzia o texto em colunas. Para alegria dos gráficos, Steve Jobs deixou Havard para fazer um curso livre de tipografia e se apaixonou pelos tipos com e sem serifas.

Gutemberg, claro, é o mais importante dos gráficos, afinal ele foi o inventor da indústria gráfica e imprimiu a primeira Bíblia usando tipos móveis, mas outros tipógrafos fizeram a fama da profissão. Machado de Assis foi o brasileiro que exerceu esta profissão com muito denodo. Mas voltando a Steve Jobs.

O criador da Apple revolucionou a computação criando o seu Macintosh, no qual utilizou seus conhecimentos de tipografia que fizeram toda a diferença:

“o Reed College oferecia uma das melhores formações em caligrafia do país e eu resolvi freqüentar as aulas. Aprendi sobre como se faz uma boa tipografia. Dez anos mais tarde, quando criávamos o primeiro computador da Macintosh, colocamos tudo isso no Mac.”

A união entre o trabalho manual, a mecânica e a informática revolucionou a indústria gráfica, a profissão e a forma de lutar. O gráfico de hoje nem sabe como tudo isso começou, nunca viu um tipo, um componedor e uma régua de paica, muitos nunca fizeram greve, mas é sempre bom lembrar o que foi feito pela humanidade até chegar nos dias de hoje.

A tecnologia mudou tudo, inclusive a maneira de se organizar por melhores condições de trabalho, por isso é importante valorizar a história e render homenagens aos colegas tipógrafos de 1923.

Viva o “Dia dos Gráficos!”

zecarlos

Advogado, pós-graduado em Direito Ambiental, especialista em povo, principalmente o povo paraense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *